Nesta página partilha-se o gosto pela escrita. Escrevemos contos e damos largas à imaginação. Quem quiser participar basta expressar essa vontade aqui, em forma de comentário, e receberá todas as informações que necessitar.

domingo, 3 de março de 2013

Madalena dos Olhos Cor de Algas - Capítulo 14 - Final


Um impulso chamava-o para um qualquer lugar. Eduardo não sabia para onde ia mas sabia que tinha que ir. Eva, Madalena, as duas gritavam pela sua ajuda, como se fosse, ele, o salvador que tinha a vida de ambas nas mãos. As ruas que desaguavam na foz encontravam-se absolutamente devastadas pela tempestade que as assolara, tinha sido uma noite dos demónios. Talvez por isso, também, o seu sono tivesse sido tão atormentado. Mas a verdade é que a ansiedade continuava, apesar de já estar bem desperto. O bater das ondas latejava-lhe nas têmporas… e Madalena…
 

- Não!... Madalena, não faças isso!

Madalena sobressaltou-se com o grito. Familiar e a tocar-lhe o coração. Só aquela voz tinha a força para a despegar do apelo das marés. Hesitante, entre o magnetismo do mar e o olhar de Eduardo, que naquele momento reflectia toda a inquietude da cor incerta das algas, cambaleou para os braços do irmão. Querido Eduardo, tão frágil e ao mesmo tempo tão forte, era a sua única tábua de salvação. Não lhe fez perguntas, nem sequer lhe lançou um olhar recriminador, limitou-se a abraça-la e a consumir-lhe as lágrimas. O que sendo tão pouco era tanto. Dos olhares de soslaio, dos silêncios súbitos à sua passagem, estava ela farta. Ninguém… ninguém tinha o direito de julgar os seus actos ou de questionar as suas opções, quando era ela própria que se sentia uma perdida dentro de si mesma. Se podia ter seguido por outros caminhos, claro que podia, mas a vida é feita de escolhas e aquelas tinham sido as suas escolhas. Bem ou mal, a sua vida era o destino do caminho que um dia havia escolhido. Mas, vendo bem, ainda tinha muito caminho para percorrer. E o rumo poderia sempre ser alterado. Era tudo tão mais claro, nos braços de Eduardo.

Indiferentes a tudo o que se passava à volta, os dois deixavam fluir o seu entendimento perfeito, quando o telemóvel de Eduardo saltou numa gritaria desesperada. Era Eva. O que quereria ela àquela hora da manhã? Eduardo percebeu que apesar do alívio por ter encontrado Madalena, a ansiedade que o tinha feito saltar da cama em sobressalto continuava a corroer-lhe os sentidos. Desfez-se do abraço e afastou-se para atender.

- Eva, estás bem?

Do outro lado, a voz de Eva soou aflita. Disléxica e confusa, pronunciava palavras soltas que não davam para Eduardo entender exactamente o que se passava, só percebeu que tinha acontecido algo de grave com Alexandre. Um acidente.

- Eva, diz-me onde estás. Eu vou ter contigo.

Era impossível a Madalena não ouvir a conversa do irmão, ainda para mais que à medida que as palavras surgiam do outro lado da linha a inquietação emergia em todo o seu corpo. Assim, quando Eduardo desligou, a pergunta foi inevitável.

- Eva está bem?

- Foi Alexandre, ele teve um acidente e Eva está no hospital. Madalena, tu estás bem? Eu vou lá ter com ela.

- Eu também vou.

Era a resposta que Eduardo menos esperava, e não sabia se aquela era uma boa ideia, mas tinha pressa e sabia que se tentasse demover Madalena iria perder bastante tempo e provavelmente não o conseguiria.

Eva esperava-o no átrio do serviço de urgência e sentiu um choque quando viu Madalena, mas naquele momento tudo o que precisava era o conforto dos braços de Eduardo e, sem sequer olhar para a colega, correu a refugiar-se no peito do homem que agora sentia como seu. Alexandre agonizava entre a vida e a morte e ela estava preocupada, claro, mas era de Eduardo que ela precisava. Desde o reencontro, em Coimbra, que tudo se tornara claro no seu espírito e na sua alma. Alexandre tinha sido um grande engano na sua vida. Nunca a respeitara e, talvez, nunca a tivesse amado mesmo. Tudo o que queria era ascender na sua carreira política e promover o próprio ego. Ela, sim, ela tinha-o amado. Ou pelo menos assim o pensava. Tinha sido o único a quem havia permitido que entrasse nas profundezas do seu íntimo. Mas Eduardo tinha entrado sem permissão. Porque não precisava. Eduardo tinha entrada natural em todo o seu ser, Eduardo era a metade que a preenchia na sua total plenitude.
 

Alguém, na recepção, procurava os acompanhantes do doente Alexandre Coutinho e Madalena, perante o alheamento de Eva, apresentou-se, ela, como familiar. O médico esperava-a para lhe dizer que não havia mais nada a fazer. O coração de Alexandre ainda batia mas iria parar a qualquer momento. E ela pediu para estar com ele uma última vez.

Madalena aproximou-se da cama onde Alexandre soltava os últimos suspiros, tensa e sem saber o que fazer. Agarrou-lhe a mão.

Porquê Alexandre? Porquê este desfecho tão mais que esperado? Sempre te achaste o dono do mundo e ele largou-te como larga todos os comuns mortais.

A linha recta no monitor cardíaco e o barulho dos alarmes indicou que tinha chegado o fim. Eva e Eduardo esperavam-na, ainda no átrio.

- Sinto muito, Madalena. – As duas encararam-se como que reconhecendo um mútuo engano de que ambas tinham sido vitimas.

No velório, quase só as figuras do partido e mais alguns amigos e inimigos da política. E Eva com Eduardo, e Madalena. Que nem sabia ao certo porque ali estava. Eva tinha mencionado uma eventual suspeita de atentado, e uma investigação que tinha como alvo um tal Rogério Estorninho dos serviços secretos do governo central. Tinha de tirar tudo a limpo, que a última coisa que precisava era ser implicada num crime, àquela altura dos acontecimentos.

Eva aproximou-se e Madalena ofereceu-lhe um sorriso lacónico.

- Tivemos os destinos cruzados logo à nascença, não é Madalena?

- Pois… quem diria que, depois de tudo, tu e o meu irmão seriam almas gémeas. Parece que vamos ser da família, Eva.

- Nós sempre fomos da família, Madalena. Temos o mesmo sangue a correr nas veias.

Madalena sempre havia nutrido uma certa desconfiança relativa à permanência da mãe em Africa mesmo depois de o pai ter regressado a Portugal, mas nunca tinha tido coragem para esmiuçar o assunto. Na verdade, a possibilidade quase certa de ser irmã de Eva não lhe agradava. Aquela sonsa de nariz empinado não podia ter tudo, enquanto ela não tinha nada. Afinal, tinham sido geradas no mesmo útero.

- Como é que sabes?

- Era ainda criança. Ouvi uma conversa entre os meus pais… quer dizer, entre o meu pai e a esposa dele. Ela não podia ter filhos e então concordou em aceitar-me como filha desde que tudo ficasse em segredo.

Madalena, impávida, não mostrava qualquer reacção.

- Porque me estás a dizer isso agora?

- Eu e Eduardo, vamos ter um filho…
Luísa Vaz Tavares

3 comentários:

Pedro Ferreira disse...

Gostei do "remate" final! :)

Clementina Barros disse...

Gostei do final e da oportunidade de esperânca que a "vida" resolveu dar ao Eduardo
Parabéns Luisa por mais este belo conto

Mikashi disse...

Excelente :) mais um conto que foi um sucesso :)