Nesta página partilha-se o gosto pela escrita. Escrevemos contos e damos largas à imaginação. Quem quiser participar basta expressar essa vontade aqui, em forma de comentário, e receberá todas as informações que necessitar.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Razão de Existir - Capítulo XIV - O Final


Fotografia de Paulo Emanuel 

                Não tinha outro remédio que não deixar aquela população no limite da dúvida. Premir ou não o gatilho? Sabê-lo-iam apenas quando um eco seco os violentasse na noite adormecida. Sebastião de Menezes, o homem de quem nada sabiam e ao qual se limitavam a mostrar indiferença, acordá-los-ia de rompante, e o seu nome soaria no tempo por aqueles vales e montes.
            As primeiras crónicas no Paladino não surtiram o efeito desejado. Tinha mais impacto a necrologia do que aquela coluna que ele passara a assinar, além de que não lhe revolvera as entranhas do modo por que ele tanto suspirava. O pensamento havia voltado às cavernas, as luzes queriam-se agora no espalhafato de cegarem no imediato.
            Estaria sempre um passo à frente deles, não foi à toa que se aventurou por outras terras, conheceu outros mundos. Não que esse facto fizesse de si uma melhor pessoa, pelo contrário. Corroía-lhe o sangue nas veias. Era isso que precisava que soubessem – um homem acontece de não regressar. Quis voltar a fim de recuperar o que deixara para trás, mas nem chegou a encontrar-se. Tudo o que fez a partir de então foi tão só a fuga do que poderia ter sido. As consequências perdurariam o corpo, como as manchas nas paredes prevalecem sobre os inquilinos que as habitam.    
            Preparou tudo. Embarcaria na expedição última sem deixar nada ao acaso. Nenhuma ponta ficaria solta. Havia tratado de todas as diligências legais, inclusive o dinheiro amealhado de forma ilegal. Não aspirava a qualquer justiça pós-morte, a qualquer acerto de contas, muito menos silenciar o passado com um tiro certeiro. Era apenas uma espécie de redenção a sós, consigo mesmo. E para isso escreveu estas páginas, o legado possível da sua existência, e do que a mesma provocou.
            Bateu a última letra na respectiva tecla da máquina de escrever e reuniu as folhas dactilografadas, enfiando-as num envelope. Lacrou-o de imediato, não fosse dar-lhe um arrependimento de última hora. A influência devida ao cargo que ocupara no serviço dos correios tinha-o levado a conseguir que na manhã seguinte fosse distribuído pelas casas de Vale da Serra um exemplar daquele testemunho escrito. Que o condenassem!
Deu o derradeiro gole no copo de uísque de malte – ainda sorriu com a memória da canção do Jorge Palma, mas esta noite seria frágil. O fumo do cigarro extinguia-se numa auréola por sobre si. Agora, a caixa craniana. Ergueu o revólver e apontou. Coube à única bala no interior da câmara fazer justiça. Depois, o silêncio.


Helder Magalhães

Sem comentários: