13/04/18

Voar Sem Asas - Capítulo IX

Foto © João J. A. Madeira 


Apesar de a noite já cair sobre aquele lugar perdido não se sabe bem onde, Orionte mantinha os óculos escuros. A comunidade tinha-se reunido novamente antes do descanso noturno para aproveitar ao máximo a presença dos três chefes de família, que deveriam partir logo pela manhã. Todos aparentavam sentir-se confortáveis dentro daquela paz artificial. Todos menos Orionte. Orionte servia-se dos óculos para observar Laíssa, sem ser notado. Ela também não se sentia confortável.
Laíssa mexia-se e remexia-se com uma inquietude que mais ninguém parecia notar. Não prestava atenção à conversa e até aos carinhos de Iosef, respondia de uma forma automatizada.
As palavras de Rafael não lhe permitiam tranquilidade. E Orionte?… A resposta intempestiva que o fizera sair de detrás da moita para questionar Rafael. Saberia ele de alguma coisa que nunca demonstrara? Não, o mundo não podia resumir-se apenas àquilo que ela sabia. É certo que naqueles livros que o pai selecionava para ela ler se descrevia um mundo muito mais complexo. Mas o pai também lhe dissera que as coisas tinham regredido, que a fúria desenfreada com que o ser humano tinha abusado dos recursos do planeta tinha feito com que se tornassem escassos e por isso agora eram só para as elites. Era uma explicação plausível, lá isso era. Ainda assim, não a desinquietava… e as mulheres? Porquê aquela perseguição? Quase mito… de que eram em número tão reduzido, que eram procuradas como objectos preciosos.
Era isso. Era assim que se sentia! Um objecto. Uma coisa que o pai e Iosef manipulavam a seu bel prazer.
- Laíssa… Laíssa, querida?...
- Hum… o quê? O que foi?
- Querida, estou a chamar-te há que tempo e não me ouves.
- Desculpa, estava distraída…
- Isso vi eu… olha, vou dormir que amanhã eu, o teu pai e Naldan partimos cedo.
A noite foi muito agitada dentro de si própria e quando os três homens se juntaram para rumar ao seu destino, Laíssa já lhes tinha preparado tudo o que precisavam levar, despedindo-se sem mais demora. Parecia que os queria ver pelas costas. Pensou, ao vê-los desaparecer na curva do caminho. Não devia ter agido assim. Mas pronto, já estava… encolheu os ombros e voltou para dentro de casa.
Com a luz do dia ainda difusa, tropeçou numa caixa grande que estava encostada à parede, no seu quarto. Era uma das que tinha trazido de Malpertuis. Por esquecimento ou por falta de tempo, tinha ficado para ali arrumada. De súbito, parou quando viu o conteúdo derramado. Como é que nunca mais se lembrara daquilo? A caixa continha livros. Um livro em especial que tinha escondido no meio dos outros. Na véspera de o pai lhe ter anunciado a fuga inesperada, tinha-o encontrado no quarto dele. Estava escondido no fundo de uma gaveta, com vários objectos sem importância por cima. Primeiro ainda pensou em lhe perguntar se o podia ler, mas logo mudou de ideias. Se o pai o tinha ali escondido, era porque não queria que ela o lesse…
Ávida de descobertas, Laíssa sentou-se na cama com o livro no colo. A primeira coisa que reparou foi a data da primeira edição. Era bastante mais recente que os que habitualmente lia. Aquele livro tinha pelo menos, menos um século que Os Maias, Amor de Perdição e outros que tais. Datava do início do século XXI. Começou a ler devagar. O livro contava a história de uma mulher. Uma mulher muito importante, que tinha sido CEO de uma grande multinacional. Não imaginava o que poderia ser isso, mas com certeza era algo com muito poder. Essa mulher trabalhava com a internet e deslocava-se num carro que ela própria conduzia. E mais surpreendente ainda: lidava com os homens de igual para igual. A princípio pensou que fosse uma história inventada, como aquelas que o pai lhe contava quando era criança, mas à medida que avançava na leitura, ia sentindo cada vez mais a realidade de tudo o que ali era relatado. Até porque a mulher, para além de tudo o que lhe era estranho, tinha outra parte da vida onde era mãe e esposa como ela sempre pensara que tivessem sido as suas antepassadas.
Mergulhou de tal maneira na leitura, que às tantas já se sentia ela própria a protagonista da história. E lia como uma faminta que precisava daquelas informações como de pão para boca. Ah, como gostaria de ter sido aquela mulher… revia-se perfeitamente nela.
Tinham passado algumas horas quando retornou à realidade. Continuava sentada na cama, com as pernas estendidas e recostada na almofada que tinha ao cimo. Ainda tinha o livro no colo, mas agora estava aberto na última página. Virou a capa e leu o que não tinha lido antes: “Biografia Autorizada de Mary Barra”.
Estava atordoada com tanta informação, mas de uma coisa tinha agora a certeza: as mulheres podiam ter um papel muito mais interveniente na sociedade. Tal como ela sempre imaginara e nunca se atrevera a revelar, por recear que fossem delírios da sua mente inquieta.
 Porque é que o pai lhe impedira o acesso àquele conhecimento? Num sentimento de benevolência, decidiu que ele o fizera para a proteger. Para evitar que a sua ansiedade por mudar o mundo extravasasse para fora do seu pensamento e a levasse a meter-se em sarilhos graves… muito graves. Pois o pai conhecia-a, sabia o pequeno monstro que tinha criado mesmo contra a sua vontade. Desde muito pequena que aquela sede de entendimento, a fúria pela reclusão a que estava sujeita, as manhas para driblar todos os contratempos se tornaram evidentes para o pai, que tudo tentara para a refrear. O pai apenas quisera protege-la de si própria, como qualquer pai sempre faz de tudo para proteger os filhos. Mas agora era tarde…
O monstro saíra de dentro dela e já não havia forma de o parar. Laíssa precisava saber mais sobre aquele outro tempo que até então desconhecia. Mas como? Onde é que podia ir buscar o que precisava? Falar com o pai estava fora de questão. Se conseguisse um acesso à internet… mas nem sabia onde pudesse existir.
Rafael! Era isso, se conseguisse falar com Rafael talvez arranjasse maneira de o persuadir a leva-la a algum lugar onde houvesse esse acesso.
Levantou-se para ir falar com Thays. Não iria revelar nada à amiga, mas talvez fazendo-a repassar as últimas conversas com o irmão, detectasse alguma pista que a levasse a um contacto com Rafael.
Estava entre portas quando ouviu o zumbido metálico que tão bem conhecia. Não! Dessa vez não ia mostrar-se ao controlo. Só ela sabia a revolta que sentia de cada vez que tinha de se por a jeito para aquele olho indiscreto. Voltou para dentro de casa e varreu o espaço com os olhos à procura de onde se esconder. Fixou-se no alçapão que se habituara a ver ali no chão do quarto. Afinal, aquele abrigo que sempre lhe lembrara guerras antigas, não eram tão antigas assim.
Desceu os degraus, fechando a portinhola por cima da cabeça, e aninhou-se no escuro à espera que o perigo passasse. Sim, porque para ela aquele é que era o verdadeiro perigo. O perigo de não saber de nada, de não a deixarem evoluir, de não a deixarem crescer… de não a deixarem mudar o mundo.
Passou um tempo indefinido, até que ouviu o zumbido afastar-se. Saiu com cautela e dirigiu-se para a rua. Naquele instante sentiu um vazio dentro de si. O silêncio que sempre sentira como a grande harmonia daquele lugar era agora aterrador. Correu a casa de Thays, foi até à albufeira, chamou Thyara e também a amiga. Gritou alto, muito alto, a ver se alguém a ouvia. A resposta era apenas o eco da sua voz.
Estaria outra vez só?
Desfalecida, deixou-se cair sobre os joelhos dobrados… de repente olhou e viu Orionte pelas costas, de mochila ao ombro e bordão na mão.

                                                                                Luísa Vaz Tavares

43 comentários:

  1. Imagino o quão angustiante estaria seu coração!!!
    ... Gostei da prosa!!!
    Uma SEXTA 13 ... com muita SORTE!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, Laíssa vive angustiada com o mundo que conhece.
      Obrigada, Gracinha.

      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  2. Fantástico. Pena que acaba logo.
    Beijos. Da primeira fila.

    silvioafonso




    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Silvio, obrigada pelo comentário.
      Continue a acompanhar!

      Bom resto de fim-de-semana.

      Eliminar
  3. Ola...adorei a visita, e aqui ao seu convite entrei, precisarei de tempo para ler todos esses contos que aqui possui, adoro ler, então com certeza aqui achei uma oportunidade impar!!virei sempre, e sempre que der aparece por la tbm bjucas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leia, que vai gostar. Cada autor tem o seu estilo, mas todos na mesma linha construímos uma história, que tentamos seja apelativa.
      Farei uma visita.

      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  4. Maravilha, envolvente com vontade de que não termine. Um sonho interrompido muito bem delineado.]

    Destaco:
    "Desceu os degraus, fechando a portinhola por cima da cabeça, e aninhou-se no escuro à espera que o perigo passasse. Sim, porque para ela aquele é que era o verdadeiro perigo. O perigo de não saber de nada, de não a deixarem evoluir, de não a deixarem crescer… de não a deixarem mudar o mundo."

    Grata por me proporcionar tão agradável leitura e também pela visita ao meu novo blog. Que tal uns versinhos sem a vogal "A"? me daria muita alegria.
    Abração!
    Diná

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Diná. Continue a acompanhar-nos e saiba como se desenrola a história.

      Versos sem "A"... hum, não é fácil. Mas vou tentar :)

      Bom resto de fim-de-semana!
      Abração

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Obrigada, Maria. Continue a acompanhar-nos.

      Beijinhos
      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Cada autor com o seu estilo, tenta manter a história interessante. Que bom que estamos a conseguir.

      Abraço e bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  7. A memória do passado, escondida.
    Uma mulher que liderava.
    A esperança num "sem eira nem beira".
    Ansiedade.
    Solidão?

    Um bom capítulo com um bela prosa.
    Parabéns Luísa. Um gosto ler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mulher que tenta sempre ir mais além :)

      Bessa, obrigada por teres preparado tão bem o terreno.

      Eliminar
  8. Capítulo escrito por uma mulher, que conhece bem as reações femininas.
    Laíssa à frente do seu tempo, como sempre acontece. Orionte sempre atento. Aguardemos!

    Bom fim de semana. Saudações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As mulheres sempre visionárias... :)

      Obrigada pelo comentário, Céu!

      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  9. Gostei muito, agora é esperar pelo próximo capítulo para ver que rumo irão dar ao conto. :) Bom fim de semana.
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver o que nos trazem os próximos autores.

      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  10. Respostas
    1. Tentamos manter o interesse :)

      Abraço
      Bom resto de fim-de-semana!

      Eliminar
  11. Um pouco de realidade no nosso conto, já fazia falta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São as várias vertentes que constituem o todo :)

      Beijinho, Dina!

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Obrigada, Francisco.
      Continue a acompanhar-nos e conheça os próximos autores.

      Abraço

      Eliminar
  13. Gosto muito de teus textos por fluir naturalmente e tal Dostoyevski, externa os sentimentos humanos, principalmente da da mulher. Parabéns, amiga! Minha admiração. Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada.
      Fico feliz de te encontrar aqui.

      Outro grande abraço desde aqui!

      Eliminar
  14. Um excelente e apreciado trabalho Literário. Assim vocacionada, auguro os maiores êxitos.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  15. Continuando a acompanhar esta excelente publicação colectiva.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Pedro.
      Espero que continue a acompanhar-nos e que continuemos a agradar-lhe.

      Bom resto de semana

      Eliminar
  16. Mais um capitulo que me continua a aguçar a curiosidade.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  17. Estamos já todos à espera do próximo autor :)

    Bom resto de semana!

    ResponderEliminar
  18. Olá Luísa,vim deixar meu carinho e desejar uma ótima tarde... Continuo no aguardo, Gostei muito desse trabalho coletivo.
    Bjss1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Diná. Ficamos sempre à espera do próximo capítulo, não é?
      Boa semana!

      Beijinhos

      Eliminar
  19. Muito interessante este conto com novos elementos que nos aguçam a curiosidade. Muito bom Luisa bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Clementina!
      Vamos ver o que nos vão trazer os próximos autores. Beijinhos

      Eliminar
  20. Não li o que antecede o texto. Nem faço ideia de como trabalham para este conto a várias mãos. Por isso, é impossível avaliar de forma honesta. Mas a sua prosa é escorreita, acontece alguma coisa durante ela e deixa margem para a continuação:). A luta das mulheres pelos seus direitos tem muito modo para ser dita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada autor escreve um capítulo, mediante uma escala que elaboramos no início de cada conto, e publicamos semanalmente. Se "andar" para trás no blogue, encontra os capítulos anteriores e a forma como cada um tem desenvolvido a história desde o início.

      Boa semana!

      Eliminar
  21. Voar sem asas... Sonho de todo homem! Lindo, parabéns!

    ResponderEliminar
  22. first visit to your beautiful blog my friend and i am stunned with you magnificent way of writing!!!

    ResponderEliminar
  23. Gostei imenso deste capítulo.
    Uma excelente narrativa. Parabéns pelo talento literário.
    Continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jaime.
      Fico agradada com as suas palavras.
      Boa semana e um abraço!

      Eliminar

Esperamos que tenha apreciado a nossa escrita e que volte a visitar-nos. Deixe-nos a sua opinião. Obrigado!